Loading...
Documentos sobre Paratinga

Contribuições

Siga-me

Tiago Abreu

Extensionista em Comunica Estúdio
Estudante do curso de Jornalismo da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC) da Universidade Federal de Goiás (UFG).
Siga-me

Últimos posts por Tiago Abreu (exibir todos)

Qual a fórmula de um documentário? Ao gravar cenas, reunir relatos, estruturar imagens que, de certa forma, contam histórias, me pus a pensar no desafio de imergir neste processo. Já estava mergulhado na história de Paratinga, nas pesquisas teóricas, nas concepções que envolvem seus fatores socioeconômicos, até que surgiu o elemento Comunica Estúdio.

Uma das vantagens do ambiente acadêmico é a variabilidade de estruturas e capital humano a somar sobre um projeto. E para um trabalho de documentário que visa ser tão ambicioso, os preparativos técnicos, em um período de meses que antecedem as gravações em si, percebi que deveria correr contra o tempo e estabelecer a identidade para a construção de uma narrativa.

Para quem está acostumado com as palavras, os textos e respectivos parágrafos, produzir o documentário, em termos de Jornalismo, precisava traduzir, por meio de imagens, aquilo o que gostaria de escrever acerca da cidade. Pensei nas pessoas que conheci ao longo deste trajeto e decidi trazê-las para o projeto como entrevistados.

O fator financeiro foi um ponto importante. Com o orçamento reduzido, tive que abrir mão de pontos específicos que, diante da obra como um todo, a prejudicaria menos. Tive algumas leituras sobre a história do documentário. Nos finais de semana, testei os equipamentos com familiares, entre eles o meu avô ainda vivo. Cheguei em junho com o que era necessário, para a execução, pronto.

Daqui a cerca de 15 dias, estarei em direção a Paratinga, onde os primeiros passos da gravação serão executados. O projeto será gravado em duas ocasiões: A primeira, em julho, no período da seca. A outra, em dezembro, no período de chuvas, o qual espero ser bastante produtivo.

Não sei dizer, ainda, se o trabalho, quando pronto, trará grandes contribuições. É presunçoso demais ter alguma possibilidade de considerar a relevância da obra em Paratinga. Mas, se num contexto local, a produção conseguir registrar histórias e vidas que talvez passariam despercebidas, a missão estará cumprida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

artigos recomendados pelos editores
%d blogueiros gostam disto: